domingo, 22 de junho de 2014

Família Imperial do Brasil e os Reis da Bélgica em evento no Rio de Janeiro

Foi reinaugurada no Rio de Janeiro, a Avenida Rainha Elisabeth, que liga Copacabana a Ipanema.


Em cerimônia no dia 21 de junho, o Rei Filipe e a Rainha Matilde da Bélgica reinauguraram a Avenida e descerraram a placa que homenageia sua bisavó, a Rainha Elisabeth, Rainha da Bélgica de 1909 a 1965, localizada sob o busto do Rei Alberto I, na mesma via.

Dom Antonio e Dona Christine são recebidos pela primeira dama do Estado do Rio de Janeiro, Sra. Maria Lucia Horta Jardim

Sob os olhares atentos dos primos - Dom Antonio e Dona Christine (atrás) - o Rei e a Rainha da Bélgica recebem os cumprimentos da população

O busto do Rei Alberto I

Os atuais Soberanos belgas colocam flores sob a estátua do Rei Alberto I da Bélgica


O Rei Alberto I e a Rainha Elisabeth estiveram no Brasil em 1920 e, com esta viagem, contribuíram substancialmente com o desenvolvimento e crescimento do Brasil, defasado com a república. Foi através desta viagem, por exemplo, que se originaram várias empresas especializadas em mineralogia e também algumas das casas de caridade, que já naquela época assistiam os carentes vitimados pelo novo regime. Os cariocas, para homenagear o casal real, deram o nome da importante Avenida à Rainha e um busto ao Rei.

Compareceram à reinauguração, os primos dos Soberanos belgas, o Príncipe Dom Antonio e a Princesa Dona Christine de Orleans e Bragança, representando a Família Imperial do Brasil. Dona Christine, nascida Princesa de Ligne, das Casas mais antigas e nobres da Bélgica, para qual foi oferecida o Trono daquele país ainda no século XIX, cresceu juntamente com os Príncipes da Bélgica, tendo grande amizade com os Monarcas. Dom Antonio, da mesma forma, sendo primo e gozando das mesmas dignidades da Família Real da Bélgica, teve, junto com seus pais e irmãos, o prazer de receber, várias vezes, o Rei Filipe, ainda enquanto Príncipe, no Brasil.

O evento de reinauguração contou com a organização do Consulado da Bélgica no Rio de Janeiro, através do Consul Bernard Quintin, e do Governo do Estado. Presentes o Ministro das Relações Exteriores da Bélgica, o corpo Consular, a primeira dama do Estado, Sra. Maria Lucia Horta Jardim e autoridades do Estado, Munícipio, além da população, que acompanhou com alegria o ato.       

______ 

Imagens: Lu Lacerda, Agência Brasil, GERJ e Arquivo do Blog Monarquia Já

A superioridade da Monarquia


Em sua Proclamação, no dia 19 de junho de 2014, o Rei Don Felipe VI da Espanha deixou calara a superioridade da monarquia comparada a qualquer outra forma de governo:

Em espanhol

La independencia de la Corona, su neutralidad política y su vocación integradora ante las diferentes opciones ideológicas, le permiten contribuir a la estabilidad de nuestro sistema político, facilitar el equilibrio con los demás órganos constitucionales y territoriales, favorecer el ordenado funcionamiento del Estado y ser cauce para la cohesión entre los españoles

S.M. el Rey Don Felipe VI

Madrid, 19.6.2014

Em português

A Independência da Coroa, sua neutralidade política e sua vocação integradora ante as diferentes opções ideológicas, permitem-na contribuir com a estabilidade do nosso sistema político, facilitar o equilíbrio com os demais órgãos constitucionais e territoriais, favorecer o ordenado funcionamento do Estado e ser a base para a coesão entre os espanhóis.  

S.M. o Rei Don Felipe VI

Madri, 19.06.2014

Na Espanha, os monarquistas fizeram uma comparação sobre os gastos dos governos republicanos e monárquicos: 



O Rei Católico Don Felipe VI da Espanha

A despeito da triste crise de fé e moral que abala não só a Espanha, mas todo o mundo, na tarde de domingo, 22 de junho de 2014, celebrou-se na Capela Real do Palácio da Zarzuela, Santa Missa de Ação de Graças pela ascensão de Don Felipe VI ao Trono espanhol.   

Don Felipe, ainda Príncipe das Astúrias, recebendo sua primeira Comunhão
Imagem: divulgação


Sofrendo fortes pressões da ala republicana, comunista e socialista, o Governo optou por cumprir a risca o que manda a Carta Magna, com relação o caráter laico da Chefia de Estado e de Governo. No entanto, manifestando seus interesses e inclinações, Don Felipe VI se mantem como Rei Católico e Defensor da Fé, prerrogativa a que os Soberanos da Espanha tem direito desde a união do Reino no século XV, com o casamento dos Reis Fernando II de Aragão e Isabel I de Castela. Ainda como forma de manifestar sua fé e colocar seu Reino aos serviços da Santa Igreja, Don Felipe anunciou que no próximo dia 30 fará sua primeira visita oficial como Rei da Espanha, tendo como destino o Vaticano.

 Don Felipe e Dona Letícia, em trajes formais - conforme previa o belo cerimonial pontifício, em audiência com São João Paulo II
Imagem: divulgação 

Don Felipe cumprimenta S.S, o Papa Francisco em Missa Solene no Vaticano
Imagem: divulgação

A Rainha Letícia faz reverência ao Cardeal Arcebispo de Madri, S.E., Don Antonio María Rouco Varela
Imagem: divulgação


A Santa Missa no Palácio da Zarzuela foi celebrada pelo Arcebispo de Madri, S.E., o Cardeal Don Antonio María Rouco Varela e pelo  Arcebispo Castrense, S.E.R. Don Juan del Río, na presença do Rei Don Felipe, da Rainha Dona Letícia, e dos antigos Soberanos Don Juan Carlos e Dona Sofia, além de outros membros da Casa Real Espanhola.  

Ainda em 19 de junho, dia da Proclamação do Rei Don Felipe VI, o Arcebispo de Toledo e Primaz da Espanha, em Missa Solene, pediu orações ao novo Rei, como relata a íntegra de sua homilia (em espanhol):

Homilía del Sr. Arzobispo en la Santa Misa en la Catedral Primada

Toledo, 19 de junio de 2014

Mis respetos y mi saludo a cuantos hoy celebráis en el Rito Hispano-Mozárabe la hermosa liturgia del Santísimo Cuerpo de Cristo; el amor del Señor en este día va sobre todo para los enfermos y mayores que conectáis con la Catedral por radio y televisión: os tenemos presentes y oramos por vosotros. Hoy es un día grande para España y pido oraciones por nosotros y por el Rey.

La Palabra de Dios es muy breve en esta Misa; pero la Escritura es siempre jugosa y nos deja ese olor a pan recién hecho, como gustaba decir san Francisco. Precisamente los Proverbios de Salomón hablan de cómo la Sabiduría del Padre, que es el Hijo, ha edificado su casa, ha labrado siete columnas, ha sacrificado víctimas, ha mezclado el vino y ha preparado la mesa. Sí hermanos, Dios tiene dispuesto un banquete, y ha enviado a sus criados a anunciar en los puntos que dominan la ciudad: "Venid aquí los inexpertos"; y a los faltos de juicio les dice: "Venid a comer de mi pan, a beber el vino que he mezclado; dejad la inexperiencia y viviréis, seguid el camino de la inteligencia".

Si tuviera que destacar en los libros de la Sagrada Escritura una imagen para expresar el amor salvador a los hombres y mujeres, esta imagen bien podría ser la del banquete preparado -para la boda de su Hijo se explícita en el NT- y la invitación insistente a que todos vengan a festejar semejante alegría. ¡Qué impresionante! Sin duda que nosotros, jóvenes siempre inexpertos e imprudentes, podemos rechazar semejante fiesta y banquete. Pero entonces no tendremos el gozo de quien encuentra a Cristo, ni encontraremos la vida ni el favor del Señor. Eso sí, Cristo siempre dirá: dichosos el hombre y la mujer que me escucha. La invitación sigue. Seguirá siempre abierta.

Nosotros, pues, no hacemos más que recibir una tradición, que procede de Jesús, y que transmitimos al mundo y la siguiente generación cristiana: "Que el Señor Jesucristo, en la noche en que iba a ser entregado, tomó pan y, pronunciando la Acción de Gracias, lo partió y dijo: Esto es mi cuerpo, que se entrega por vosotros. Haced esto en memoria mía. Lo mismo hizo con el cáliz, después de cenar, diciendo: Este cáliz es la nueva alianza en mi sangre; haced esto cada vez que lo bebáis, en memoria mía". Es lo que ha proclamado el lector hace breves momentos.

Esta memoria o memorial de Jesús no es algo trivial. Bien lo saben los que desgraciadamente profanan la Eucaristía robando sagrarios o esparciendo formas consagradas. No. Es la fuerza del amor de Cristo que nos urge, nos juzga y nos saca de nuestro interés y desamor. Es el signo perenne del amor de Dios, tantas veces desconocido, ignorado al no apreciarlo. Este Cristo es el mismo que está en el más pobre, en el que sufre, al que nos acercamos, porque, si en este mundo no hay caridad y atención al ser humano en su totalidad, de poco valen tantos esfuerzos por procurar buena economía, como tampoco tanto gritar cambios antisistema sin comenzar a cambiar personalmente ni acercarse a la realidad de cada día.

No aprovechar la fuerza que tiene este Cristo, pan y vino para la vida del mundo, significa no tener en cuenta la carne que es verdadera comida y la sangre que es verdadera comida del que ha sido enviado por el Padre de los cielos, que vive por el Padre. Quiero decir que resolver el hambre y la sed de los hombres no termina con solucionar problemas de necesidad humana perentoria. Sin duda esta preocupación es muy importante; pero somos los hombres y mujeres sujetos de muchas necesidades: los humanos somos también ansias de gozo, deseos de justicia, ganas de belleza y armonía, búsqueda de la fraternidad. "El que me come vivirá por mí".

A lo largo de la historia, Jesús ha llamado siempre la atención de los humanos; desde los discípulos de Emaús, muchos han advertido hacia aquel hombre misterioso una extraordinaria atracción, y lo invitaron a quedarse con ellos. Jesús aceptó y entró en su casa. Y cuando estando en la mesa bendijo el pan y lo partió, ellos le reconocieron. Pero también reconocieron que en realidad era Él quien les invitaba al Banquete de un pan partido para la vida del mundo.

"Roguemos para que todo cristiano, reviviendo la experiencia de los discípulos de Emaús, especialmente en la Misa Dominical, redescubra la gracia del encuentro transformante con el Señor, con el Señor resucitado, que está con nosotros siempre. Hay siempre una Palabra de Dios que nos guía en vuestra desorientación; y un Pan partido que nos hace seguir adelante" (Papa Francisco, Regina Coeli, 4 de mayo 2014).

quinta-feira, 19 de junho de 2014

A Espanha tem um novo Rei

Reconhecimento popular
Imagem da comunidade "Si queremos a Felipe VI" da rede social Facebook


Os espanhóis tem um novo Rei. Em cerimônia no Parlamento e sob forte aclamação popular, o Príncipe das Astúrias foi proclamado Rei Felipe VI da Espanha.

Don Juan Carlos I, grande paladino da democracia, passa a faixa de Capitão General ao filho e sucessor, Don Felipe VI 


Dona Letícia e as Infantas ouvem o discurso do novo Rei 


A Família Real Espanhola no balção do Palácio Real

Do balcão do Palácio, a Família Real é aclamada pelo povo


Jovens monarquistas espanhóis comemoram as festas com apliques exclusivos em camisetas e blusas 


Cedendo as pressões políticas da pequena – mas perigosa – ala republicana, de esquerdistas e de comunistas, que fizeram Dom Juan Carlos I abdicar, o protocolo real optou por não incluir no cerimonial a tradicional Santa Missa que antecede há séculos as coroações e proclamações na Espanha. Uma demonstração clara da chamada Cristofobia que se vive hoje. Anteriormente, as pressões violentas, oriundas ainda dos revolucionários franceses, já haveriam de impedir a realização das cerimônias de coroação, ficando a Coroa e o Cetro relegados, como mera figura simbólica, num nicho próximo ao Trono. Os espanhóis se perguntam se estes mesmos revolucionários terão a coragem de retirar a cruz que encima a Coroa, os brasões e a bandeira da Espanha...



Com a proclamação de Don Felipe como Rei da Espanha, sua filha, a Infanta Dona Leonor, de 9 anos, passa a ser a Princesa das Astúrias e Herdeira do Trono da Espanha.

O site da Casa Real da Espanha, através dos arquivos multimídias, traz vídeos e imagens sobre as cerimônias ocorridas em Madri.  

Vista geral do Parlamento no momento da proclamação do Rei Felipe VI


O Blog Monarquia Já saúda o Rei Don Felipe VI e o povo Espanhol.

terça-feira, 17 de junho de 2014

Agende-se: o XXIV Encontro Monárquico será em setembro


A maior reunião monarquista do Brasil já tem data para acontecer. O XXIV Encontro Monárquico foi anunciado pela assessoria da Casa Imperial do Brasil e será realizado no mês dedicado à Pátria.

O programa inicial informa que no dia 6 de setembro, durante todo o sábado, será realizado XXIV Encontro Monárquico, no Windsor Flórida Hotel, no Flamengo e, no dia posterior – 7 de setembro - domingo, ocorrerá a tradicional Santa Missa pelo 76º aniversário de S.A.I.R. o Príncipe Dom Luiz de Orleans e Bragança, na Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, seguido de almoço comemorativo da data, no mesmo hotel. O programa completo será divulgado em breve pelo Pró Monarquia e transcrito no Blog Monarquia Já.


Participe e ajude a reconstruir a dignidade do Brasil. 

18 de junho: Proclamação de Felipe VI, Rei da Espanha

O Príncipe das Astúrias, Don Felipe, será proclamado Rei nos dias 18 e 19 de junho de 2014. A cerimônia ocorrerá em Madri e será acompanhada por milhares de pessoas.


Acompanhe o cerimonial divulgado pelo Palácio Real:

18 DE JUNHO

18h00 – ATO DE ABDICAÇÃO – O Rei Juan Carlos I assinará o documento oficial, no Palácio da Zarzuela, que reconhecerá o Príncipe Felipe como novo Rei.

9 DE JUNHO

9h30 – CAPITÃO GENERAL - O Rei Juan Carlos passará a faixa de Capitão-General ao Rei Felipe VI no Palácio da Zarzuela.

10h – PARLAMENTO - O Rei Felipe VI e a Rainha Letizia, acompanhados da Família Real, com exceção de Dom Juan Carlos e Dona Sofia, seguirão para Parlamento.

10h30 – PROCLAMAÇÃO – O rei e a Família Real serão saudados pelos membros do Parlamento, das intuições nacionais e demais representantes do povo, sendo proclamado Rei Felipe IV da Espanha. Ainda no Parlamento o Rei fará um discurso e será homenageado com um desfile militar.

11h30 – ACLAMAÇÃO POPULAR - O Rei e a Rainha, acompanhados pelas filhas, seguirão para o Palácio da Zarzuela em carro aberto sendo saudados pela população.


13h – RECEPÇÃO – A Família Real da Espanha saudará a população do balcão central do Palácio Real e oferecerá uma recepção para convidados.

Realeza na Copa do Mundo 2014

Apesar de todas as vergonhas impostas pela república e o despreparo geral, durante o período da Copa do Mundo, entre os meses de junho e julho, o Brasil receberá a visita de 21 Chefes de Governo e de Estado que virão prestar apoio as Seleções dos seus respectivos países. 

Dentre as 21 autoridades, estão incluídos o Rei Willem Alexander e a Rainha Máxima da Holanda, o Rei Filipe e a Rainha Matilde da Bélgica, o Príncipe Albert II de Mônaco, o Emir Tamin Bin Hamad al-Thani do Catar e o Príncipe Harry de Gales, representando o Reino Unido da Grã-Bretanha. 

O Rei e a Rainha da Holanda desembarcam no dia 18 de junho em Porto Alegre 

O Rei a e Rainha da Bélgica chegam no dia 22 de junho

O Príncipe Albert II de Mônaco está no Brasil desde 15 de junho

O Príncipe Harry vem ao Brasil na terceira semana do mundial e visita Brasília, Amazonas e São Paulo

Emir do Catar: no Brasil desde a abertura da Copa

A Copa não é mais deles!

O Blog Monarquia Já tem a honra de transcrever o artigo do destacado monarquista e analista político José Carlos Sepúlveda da Fonseca, em seu blog Radar da Mídia, sobre a Copa do Mundo 2014:

A Copa não é mais deles!


Por José Carlos Sepúlveda da Fonseca

Inicia-se, neste dia 12 de junho, a Copa do Mundo. Realizada no Brasil – corriqueiramente designado país do futebol – a Copa deveria comportar, naturalmente, uma euforia contagiante.

Entretanto, os sentimentos são contraditórios entre os brasileiros. Junto a uma natural alegria e expectativa, a população parece ao mesmo tempo envolta por certa perplexidade, motivo pelo qual, até agora, não são muitas as bandeiras e as manifestações exteriores que habitualmente marcam o ambiente pré-Copa, tanto mais sendo esta realizada em território nacional.

Da apoteose ao pesadelo

Muito se tem dito e escrito a respeito desta Copa do Mundo e não é minha intenção debruçar-me aqui sobre temas já muito batidos, como, por exemplo, os inexplicáveis e faraônicos gastos envolvidos na preparação da mesma.

Gostaria apenas de fazer uma reflexão e tentar apontar o motivo pelo qual, para o PT – mais precisamente para Dilma e seu mentor, o ex-presidente Lula – a grande e anunciada apoteose da Copa se tornou um verdadeiro pesadelo.

Pesadelo, sim. Ou será por acaso que, neste momento, quem tenta de todos os modos convulsionar o ambiente da Copa do Mundo, com greves abusivas, com invasões de terrenos urbanos, com mobilizações de índios (reais ou fictícios), com queima de ônibus, são precisamente os “movimentos sociais”, os sindicatos e os grupelhos (estilo black blocs) incentivados e financiados pelo governo petista?

São eles que tentam mergulhar o País num clima de apreensão, de angústia e de incerteza, estragando a própria festa do futebol e denegrindo a imagem do Brasil no Exterior.

Recordar é viver

Ensina o velho provérbio português que “recordar é viver”. Permitam-me, pois, recordar algumas circunstâncias prévias à realização desta Copa.

Voltemos ao final de outubro do ano de 2007. Num clima de euforia, a imprensa anunciava aos quatro ventos: “a Copa do Mundo é nossa”! Todos os vinte membros do Comité Executivo da Fifa tinham votado a favor da candidatura do Brasil.

Ao anunciar a sede de 2014, Joseph Blatter salientara que o país que produziu os melhores jogadores do planeta teria o direito agora de sediar a Copa do Mundo.

Luís Inácio Lula da Silva, então Presidente, encabeçava a delegação brasileira presente na sede da Fifa, em Zurique. Após receber a taça da Copa do Mundo das mãos de Blatter, Lula afirmara, num tom de indisfarçável ufanismo, que o Brasil realizaria uma das maiores Copas de toda a história.

A euforia se espalhava e tudo parecia encaixar-se, como uma luva, no plano político de Lula.

Rumo ao terceiro mandato

Pela inoperância e condescendência de considerável parte da chamada oposição, Lula conseguira livrar-se do escândalo do Mensalão, e ser reeleito em 2006.

Estava, pois, no seu segundo mandato: a situação econômica era estável, devido, entre outras razões, a uma bonança externa, e a uma alta taxa de juros que atraía grandes fluxos de capitais especulativos; o dólar baixava, o risco Brasil caía.

De outro lado, o PT acentuava o aparelhamento do Estado e a política externa era cada vez mais submissa aos interesses ideológicos dos países bolivarianos, com a Venezuela de Chávez à cabeça.

Pouco tempo antes da escolha da Fifa, começavam os primeiros rumores e manobras políticas para um terceiro mandato de Lula, que abordei neste blog mais de uma vez. Havia até acenos petistas para uma reforma constitucional. A possibilidade do terceiro mandato acenava, a longo prazo, para uma vitaliciedade de Lula no poder, ao estilo de Hugo Chávez.

A Copa do Mundo estava, pois, calculada para ser um grande evento, de repercussão mundial, que consagrasse a permanência no poder do caudilho petista.

Tudo seria grandioso. Haveria investimentos em infra-estrutura, estádios faraônicos, o famoso trem-bala e até mesmo o jogo inaugural da Copa teria seu significado mais profundo nesta apoteose lulo-petista. A abertura da Copa do Mundo, no Itaquerão, fazia parte, a meu ver, do ufanismo que seria criado em torno da imagem de Lula, o “pai dos pobres”, o qual, segundo as lendas farta e generosamente divulgadas pela mídia internacional, resgatara milhões de excluídos das periferias, com seus programas sociais.

Percalços do lulo-petismo

Entretanto, os planos lulo-petistas desandaram. As tentativas do então presidente Lula de um terceiro mandato esbarraram na resistência ponderável de setores importantes da sociedade. E Lula teve de contentar-se com o “poste”, como ele mesmo chegou a designar a então candidata à presidência, Dilma Rousseff.

A postura da oposição, sempre sofrível e condescendente, viabilizou um terceiro mandato do PT. Muitos ingênuos ou mal-intencionados elogiavam a presidente eleita como “gerentona”, a mulher que faria uma devassa na corrupção, e que ao mesmo tempo – se me permitem o neologismo – desideologizaria a diplomacia, a política interna, econômica, etc.

Mas Lula continuava a dar as cartas. O projeto intervencionista e estatista foi-se configurando, cada vez mais. E os tiques bolivarianos, acentuando-se.

A Copa do Mundo, como grande espetáculo do lulo-petismo, começava a periclitar.

Manifestações de junho

As manifestações de junho do ano passado vieram mudar definitivamente o panorama político do País. Como tive oportunidade de expor, em palestra proferida em Fortaleza, o movimento que dera início às manifestações, dirigido por grupelhos de esquerda – como o Passe Livre – mancomunados com o governo, pretendia dar um golpe nas instituições e na Constituição, e instaurar a “democracia das ruas”. O próprio discurso da presidente, na época, e suas manobras políticas na tentativa de uma Constituinte específica para a reforma política, desvelavam essa intenção.

Mas o movimento inicial foi ultrapassado por um transbordar de mal estar – até então silencioso e difuso – que levou às ruas de todo o Brasil milhões de pessoas, num inequívoco sinal do desgaste do projeto político do PT, em amplas camadas da população.

Desde então, esse desgaste não fez senão aumentar e, a realização da Copa do Mundo se dá, precisamente, no momento em que o mesmo chega a seu auge.

A Presidente, em suas andanças pelo País, na campanha eleitoral antecipada, recebe vaias por toda a parte e de todo o tipo de público; o “Fora Dilma e leve o PT junto” se tornou recorrente.

Apesar de quererem ver a Seleção brasileira vitoriosa, muitos se sentem envergonhados por todas as manobras de baixa política e pela gastança a que a Copa deu azo; e outros chegam até a torcer contra, para que o governo petista seja prejudicado.

A Copa não é mais deles!

É por este motivo que a grande e anunciada apoteose da Copa do Mundo, em favor do lulo-petismo, se transformou num pesadelo. Lula que sonhara com aclamações pessoais e de seu projeto político, assistirá aos jogos em casa. Dilma Rousseff, que contava com a Copa do Mundo como passo para sua reeleição, receosa de uma vaia no Estádio na cerimônia de abertura, antecipou seu discurso, fazendo-o em cadeia nacional de rádio e televisão, tentando defender seu governo, com uma série de imprecisões e falsidades, logo desmascaradas pela mídia.

É por este motivo que a máquina lulo-petista põe sua tropa de choque (sindicatos, movimentos sociais, etc.) para tentar tumultuar o evento de todas as formas.


É por este motivo também que a Copa não é mais deles!

sexta-feira, 6 de junho de 2014

S.A.I.R Dom Luiz de Orleans e Bragança: 76 anos


Em 06 de junho de 2014 completa 76 anos S.A.I.R., o Príncipe Dom Luiz de Orleans e Bragança, Chefe da Casa Imperial do Brasil.

Nesta data especial, o Blog Monarquia Já reforça seus desejos de fé, saúde e paz ao legítimo defensor dos interesses dos Brasileiros.

quarta-feira, 4 de junho de 2014

"Jornal da Cultura" fala sobre a abdicação do Rei Juan Carlos I da Espanha



Sobre a abdicação do Rei Juan Carlos I a Coroa da Espanha, o tendencioso “Jornal da Cultura”, financiado pelo governo federal, fez curiosa reportagem sensacionalista como tentativa de desqualificar o sistema monárquico de governo. Na abertura da matéria, a jornalista Luiza Moraes afirma que grande número da população espanhola é a favor de um referendo sobre a forma de governo, esquecendo-se de que mais de 85% da população daquele país se demostrou a favor do regime Monárquico recentemente. A repórter evidencia ao máximo a crise econômica na Espanha, atribuindo a abdicação de Sua Majestade a este fator, esquecendo-se mais uma vez de que toda a Europa e, inclusive o republicano Estados Unidos, emergiram numa crise ainda mais grave. Pior ainda, ignora o caso do Brasil, como se somente as Monarquias estivessem suscetíveis a crises. Apresenta a monarquia como se fosse algo distante da realidade e acrescenta que apenas 23% dos países do mundo são monarquias e que, nos países onde este sistema vigora, os “Príncipes e Princesas ditam moda e comportamento”, completando mesquinhamente que a “Casa Real Inglesa fecha todos os anos no vermelho”. A desinformação é tamanha, que a jornalista também esquece que o Reino Unido é uma potência econômica e referência no IDH justamente por ser uma Monarquia forte e estável, tentando, de má fé, associar supostos gastos e futilidades ao sistema. Erroneamente coloca o déficit nas contas públicas, quando se sabe que a Rainha Elisabeth II cobre, com sua renda pessoal, muitos dos gastos públicos, como viagens de Estado e até mesmo o prestigioso jubileu de diamante. 

A matéria refere que a monarquia mais antiga do mundo e mantida em Mônaco (com 800 anos de História), quando na verdade o sistema monárquico no Japão, na Dinamarca e na Inglaterra já ultrapassam 1.000 anos. 

Mesmo com a explicação da professora Ana Paula Torres Megiani, da Universidade de São Paulo, a jornalista ignora a fundamental separação entre a Chefia de Estado e de Governo.  

Entrevistado Dom Bertrand de Orleans e Bragança, Príncipe Imperial do Brasil, S.A.I.R., afirmou que "o único regime de garante a unidade, a estabilidade e a continuidade de uma nação. Ninguém sabe o que será o Brasil em 2015!" Cortando, maliciosamente, na edição final, a parte em que o Príncipe conclui sua fala sobre a superioridade da Monarquia.  

O Historiador Marco Antonio Villa, cometendo alguns erros, refere qua a Monarquia na Espanha é recente, esquecendo-se também que a tradição da Espanha é monarquista, visto que desde a união por casamento dos Reis Católicos (ainda no século XV), o Reino da Espanha assumiu esta forma de governo, sendo exceção apenas o período de 1873/74 e de 1932 a 1975, com repúblicas e ditaduras fracassadas, as quais os espanhóis rejeitaram de forma veemente, restituindo a Monarquia.           

Para chocar ainda mais o telespectador, o politico Airton Soares, ex-deputado federal – líder da bancada do PT, numa demonstração clara de sua ignorância e despreparo, repete desesperadamente que é necessário “destacar este movimento que surgiu lá [Espanha] por um plebiscito pra discutir se o regime continua sendo uma monarquia constitucional ou se volta a ser, como foi por um período, república. Acho que este é um movimento que nós devemos prestar bastante atenção”. Ora, o ex-deputado deve achar importante este movimento que quer referendar a monarquia constitucional e parlamentar, pois deve achar muito mais interessante um governo republicano, como o brasileiro, onde o presidente é chefe de Estado e de Governo, tendo poderes absolutos, governando com medidas provisórias, na pseudodemocracia do Brasil. Sem nenhum argumento, tenta também desqualificar a Monarquia, ignorando o terrível histórico das repúblicas na Espanha. O desinformado ex-deputado petista, Airton Soares, por sua desinformação, é vítima do sistema de governo que defende: a república. 

Numa tentativa de prejudicar a imagem da Monarquia espanhola, outra matéria traz um perfil detalhado da Princesa Dona Letícia da Espanha, expondo sua vida pregressa, acusando-a de conferir hábitos de vida de classe média ao marido e filhos, e mais uma vez o ex-deputado Alceu Soares, muito entusiasmado, demostrando sua veia de revoltoso/comunista, afirma: “taí uma Rainha diferente, [riso], vale 'a pena' observá-la. E o que ela já fez é muito importante pra essa questão de realeza”. 

O Jornal da Cultura demostrou que não é capaz de fazer um jornalismo isento, imparcial. Que jornalismo é esse que impede que o expectador faça seu juízo a respeito da notícia que ouve? Que jornalismo é esse que serve a interesses escusos? Que conduta ética é esta? É a mesma dos políticos descomprometidos, desinformados e ignorantes.       

terça-feira, 3 de junho de 2014

Rei Juan Carlos I da Espanha abdica em favor do Príncipe Filipe


Depois de ter restabelecido a paz e a democracia na Espanha, faltando apenas cinco meses para completar 40 anos de reinado, Sua Majestade, o Rei Juan Carlos I renunciou o Trono a favor de seu filho, o Príncipe Filipe.  

Nascido Dom Juan Carlos Alfonso Víctor María de Borbón y Borbón Dos Sicílias, em Roma, na Itália, durante o exílio da Família Real Espanhola, em 1938, é filho do Príncipe Dom Juan Carlos e da Princesa Dona Maria de las Mercedes de Bourbon Duas-Sícilias e Orleáns, Conde e Condessa de Barcelona. O Rei Juan Carlos I foi criado na Espanha, onde iniciou sua carreira militar, formando-se, na década de 60, em Direito Político e Internacional, Economia e Finanças Públicas. Em 1962, numa cerimônia assistida por seu primo, o então Príncipe Imperial, Dom Luiz de Orleans e Bragança (atual Chefe da Casa Imperial do Brasil) e diversos outros membros do Gotha do mundo todo, casou-se em Atenas com a Rainha Sofia, nascida Princesa da Grécia e Dinamarca, filha primogênita do Rei Paulo I e da Rainha Frederica da Grécia. O casal teve três filhos: a Infanta Helena, Duquesa de Lugo, a Infanta Cristina, Duquesa de Palma de Maiorca e o Príncipe Filipe, Príncipe das Astúrias.  

A Espanha, desde 1931, mergulhada numa profunda crise ocasionada pelos revoltosos da fracassada Segunda República espanhola, experimentou por 35 anos (1938 - 1973) a ditadura de Francisco Franco, que sem perspectiva de sucessão no mesmo regime, resolveu preparar Dom Juan Carlos como futuro Rei da Espanha. Em 1975, com a Solene Missa de Unção do Espírito Santo, foi coroado Rei da Espanha, na Igreja dos Jerônimos, em Madri. Com a morte de Franco, assumiu o poder como “Rei de todos os espanhóis”. Em 1976 implantou a Lei da Reforma Política. Convocou eleições democráticas que não ocorriam desde a implantação da malfadada república, e de 1976 a 1978, o Parlamento elaborou a atual Constituição que foi referendada e, logo, sancionada. Desde então, é Chefe de Estado, árbitro e moderador das instituições políticas da Espanha. Mesmo com a intensa atividade política de reestrutura da Soberania Nacional e reafirmação das garantias individuais, em 1981, golpistas tramaram a derrubada da Constituição e do poder do Monarca, nesta ocasião, a atuação do Rei Juan Carlos I, como defensor da Constituição e dos cidadãos, teve papel preponderante.  

O Rei da Espanha, por muitas vias, é primo do atual Chefe da Casa Imperial do Brasil, o Príncipe Dom Luiz de Orleans e Bragança, compartilhando como bisavô, Dom Alfonso de Bourbon Duas-Sícilias, Conde de Caserta e Chefe da Casa Real das Duas-Sícilias. Para além disso, a Princesa Dona Esperança (falecida em 2005), casada como seu primo, Dom Pedro Gastão de Orleans e Bragança, Príncipe de Orleans e Bragança (falecido em 2007), era tia do Rei Juan Carlos, irmã de sua mãe, a Condessa de Barcelona. Dom Juan Carlos I e Dom Luiz compartilham também como antepassado o Rei Luiz Filipe dos Franceses. Além destes parentescos próximos, a Casa Imperial do Brasil também descende da Casa de Bourbon, da qual também deriva o Rei da Espanha.   

Aos 76 anos de vida, dos quais 39 dedicados as atividade de Monarca, o Rei Juan Carlos I abdicou em favor de seu filho e Herdeiro, o Príncipe das Astúrias.  
 
 

Filipe Juan Pablo Alfonso de Todos los Santos de Borbón y Grecia, nascido em Madri em 1º de novembro de 1975, além de seguir a carreira militar – como o pai, é formado em Direito e Ciências Econômicas, tendo concluído mestrado em Relações Internacionais. É o atual Comandante do Corpo Geral da Armada e Comandante do Corpo Geral do Exército do Ar. 

Desde 1995, atendendo a compromissos como Herdeiro da Coroa, preside atos oficiais na Espanha, incluindo as regiões autônomas, bem como participa de encontros e eventos em países estrangeiros representando o governo espanhol. É responsável pelos despachos aos oficiais e suboficiais das Forças Armadas, participando ativamente dos exercícios militares de seu país. É presidente de honra de diversas instituições intelectuais e de caridade, presidindo também a Fundação Príncipe das Astúrias. O Príncipe Filipe é também Príncipe de Girona e Príncipe de Viana; Duque de Montblanc, Conde de Cervera e Senhor de Balaguer. 

Em 2003, também na presença de membros da Família Imperial do Brasil, o Príncipe das Astúrias se casou com Letícia Ortiz Rocasolano, famosa jornalista nascida em 1972 em Oviedo, como quem tem duas filhas: a Infanta Leonor e a Infanta Sofia.   

Como sucessor, o Príncipe Filipe será coroado como Sua Majestade, o Rei Filipe VI da Espanha.  

ATENÇÃO


Em caso de cópia do material exposto: considerando a lei 9610/98, o plágio é crime. As obras literárias e fotográficas existentes neste espaço são de uso exclusivo do Blog Monarquia Já. Ao copiar qualquer artigo, texto, fotografia ou assemelhado, o Blog Monarquia Já deve, obrigatoriamente, ser citado.

Contador de visitas mundial


contador gratis

Contador de visitas diárias


contador gratis

  © Blogger template 'Isfahan' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP