segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Missa na Antiga Sé Catedral, 17 de outubro



Gravura alusiva à Carta Constitucional de Portugal. Convite CMRJ. Imagem dispónivel no blog Diretório Monárquico do Brasil




No sábado, 17 de outubro de 2009, celebrou-se na Igreja de Nossa Senhora do Carmo da Antiga Sé, no Rio de Janeiro, a missa encomendada pelo Círculo Monárquico do Rio de Janeiro em comemoração aos 180 anos do casamento do Imperador Dom Pedro I com a Imperatriz Dona Amélia, e pela passagem dos 180 anos de nascimento da Rainha Dona Maria II de Portugal. A missa solene foi celebrada pelo Abade Emérito do Mosteiro de São Bento do Rio de Janeiro, Sua Excelência Reverendíssima Dom José Palmeiro Mendes, OSB, co-celebrada pelo Pároco Padre Roque Costa Souza, Padre Eugênio de Sena Monteiro, SJC, e Padre Anderson Baptista da Silva.

Dispomos a homilia proferida por Sua Excelência Reverendíssima Dom José Palmeiro Mendes, OSB:



MISSA POR OCASIÃO DOS 180 ANOS DO CASAMENTODE D. PEDRO I E D. AMÉLIA DE LEUCHTEMBERG E 190 ANOS DO NASCIMENTO DA RAINHA D. MARIA II



Estamos aqui rezando uma missa em ação de graças. Porque motivo dar graças a Deus? Ouvimos, já na antífona de entrada desta missa, São Paulo exortar aos efésios e a nós: “Cantai e salmodiai ao Senhor em vossos corações, daí sempre graças a Deus Pai por todas as coisas”. Sim, sempre temos motivos de agradecimentos a Deus, sendo inúmeros seus benefícios. Infelizmente muitas pessoas se dirigem ao Senhor apenas para pedir favores e reclamar da vida e esquecem de agradecer tantas coisas que receberam.É o que vimos inclusive no episódio dos leprosos no evangelho recém proclamado (Lc 7, 11-19). Ora, se agradecemos a Deus o que aconteceu (mesmo as cruzes de nossa existência, que sempre tem um sentido providencial, quanto mais as coisas boas!) – tudo é graça - estamos reconhecendo, ao menos implicitamente, que ele é a fonte de todas as coisas fque recebemos, que somos fracos, que dependemos dele, que ele é bom e misericordioso. E este reconhecimento humilde atrai novos favores sobre nós.

Por outro lado, a algumas pessoas pode talvez parecer estranho que estejamos aqui expressando a Deus nosso louvor e ação de graças pelos 180 anos do casamento do nosso primeiro imperador, Dom Pedro I, com Dona Amélia de Leuchtenberg e pelos 190 anos do nascimento da princesa Dona Maria da Glória, depois D. Maria II, Rainha de Portugal. Ora, a Família Imperial Brasileira, como toda família soberana, representa, encarna, a História do país, o seu passado de lutas e glórias, as suas tradições; representa também o seu futuro, as esperanças, no caso, de um Brasil melhor. Uma família real, se diz com razão, chega a ser um pouco a nossa família, a família de cada cidadão do país, tais os laços, inclusive afetivos, que se criam entre o povo e a família real, mesmo não reinante. Isto pode estar esquecido de muita gente, no mundo secularizado em que vivemos, em que não se cultua mais a tradição, a história do país, mas é isso mesmo. Graças a Deus ainda há um ‘pequeno rebanho’ no Brasil que cultiva a História e as tradições imperiais. Há um mês atrás assistimos aqui no Rio de Janeiro uma palestra comemorando o centenário de nascimento do saudoso Príncipe Dom Pedro Henrique de Orleans e Bragança, descendente de Dom Pedro I e Dom Pedro II e representante dos princípios monárquicos no Brasil por 60 anos. O conferencista, dr. Adolpho Lindenberg, recordou o que representava este Príncipe e salientou, com razão, ter sido ele Imperador do Brasil, sendo apenas um detalhe não muito importante o fato de nunca ter reinado efetivamente. Enfim, “é bom e justo, é nosso dever e salvação” recordar os eventos importantes da História do nosso país e da história daqueles grandes vultos que amamos e respeitamos. Daí ter sido bela a iniciativa do Circulo Monárquico do Rio de Janeiro, tendo à frente dona Leda Machado, de promover esta celebração.

Recordamos em primeiro lugar o segundo casamento de Dom Pedro I. Viúvo desde dezembro de 1826 de Dona Leopoldina, a nossa grande primeira imperatriz, quis casar uma segunda vez. Contava apenas 28 anos e ficara com 5 filhos pequenos. Não foi fácil, suas pretensões sendo repelidas por vários monarcas europeus, à vista da péssima reputação que tinha como marido. Havia também razões políticas para isso, o nosso soberano não tendo a simpatia do poderoso chanceler austríaco, príncipe de Metternich. Recebeu enfim oito recusas das côrtes da Baviera e do Wurtemberg, do Piemonte e das Duas Sicílias.Tinha que ser uma princesa e além do mais bonita, virtuosa e culta... Graças aos esforços do visconde de Pedra Branca (o pai da célebre e tão simpática, embora caluniada, condessa de Barral), diplomata residente em Paris, e com o auxílio do coronel Antonio Fortunato de Brack, da antiga guarda imperial napoleônica, surgiu em 1828 o nome da jovem princesa Amélia de Leuchtenberg. Era filha de Eugenio de Beauharnais (na época já falecido), filho por sua vez de um primeiro casamento da imperatriz Josefina, esposa de Napoleão Bonaparte, que por isso perfilhara Eugenio de Beauharnais, dando-lhe o título de príncipe francês. Foi depois vice-rei da Itália e príncipe de Veneza e enfim, concluída a aventura napoleônica, foi criado duque de Leuchtenberg e príncipe de Eichstädt, na Baviera. Ele tinha casado com a princesa Augusta Amélia da Baviera, filha do rei Maximiliano I (e irmã do rei Luis I, que vai ser o trisavô de nossa princesa Dona Maria da Baviera, viúva de D. Pedro Henrique e mãe de D. Luiz). As negociações visando o casamento se prolongaram. Amélia consultada, depois de quatro dias de reflexão, concordou em casar com o imperador do Brasil. Dom Pedro, sabendo por todos os testemunhos que recebeu, da beleza da jovem, a pede oficialmente em casamento e a 30 de maio de 1829 é assinado o contrato nupcial. Dia 2 de agosto (dois dias depois da princesa ter completado 17 anos) é celebrado por procuração, o casamento na Capela do Palácio da Duquesa de Leuchtenberg, em Munique, oficiando o Núncio Apostólico na Baviera, Mons. Charles Mercy d´Argenteau. O noivo é representado pelo tio da princesa Amélia, o príncipe Carlos Teodoro da Baviera. Estão presentes o marquês de Barbacena, a quem será confiada a imperatriz recém casada, e o marquês de Resende, ministro do Brasil junto a Corte de Viena. Interessante, D. Pedro dera ordens que nada se poupasse para o brilho dos esponsais em Munique. Amélia, porém, preferiu um casamento com simplicidade e pediu que aquilo que se iria gastar em festas e luxo efêmero fosse distribuído entre noivas pobres. Enfim, parte poucos dias depois para a Inglaterra, onde é aguardada por três fragatas brasileiras e encontra sua enteada, a rainha de Portugal, D. Maria II (que estava com dez anos). Viajam juntas ao Brasil. Dia 16 de outubro chegam ao Rio de Janeiro. Imediatamente Dom Pedro I vai a bordo do navio. Fica deslumbrado com a esposa. E ela por ele. No dia seguinte, ou seja, exatamente hoje a 180 anos atrás, a esta hora,10h, o Imperador vai a bordo da fragata “Imperatriz” e conduz Dona Amélia ao cais, onde é aguardada por grande massa de povo, apesar da chuva torrencial que caia sobre o Rio de Janeiro. Agrupavam-se também no Arsenal de Marinha os elementos mais representativos da Corte, ministros de Estado, corpo diplomático, altos funcionários do paço, todos em uniforme de gala. Toma Dona Amélia um coche puxado por oito cavalos brancos, dirigindo-se à Capela Imperial, ou seja, o local em que estamos. Pelas ruas é aplaudida com entusiasmo pelo povo. Pelas 2 horas da tarde aqui chega, sendo recebida pelo bispo do Rio de Janeiro, D. José Caetano da Silva Coutinho, e o seu cabido. Encaminha-se com o Imperador até os tronos colocados junto ao altar-mor. Ajoelhados, recebem a bênção nupcial, seguindo-se a santa missa e concluindo com um Te Deum, com música do próprio Dom Pedro. Finda a cerimônia religiosa, banda militar executa o Hino Nacional e as fortalezas saúdam com 101 tiros. Em cortejo vão os imperadores até a Quinta da Boa Vista. Ali Dona Amélia tem um primeiro contato com os demais filhos de Dom Pedro I. Abraça ternamente a cada um. Será na verdade mãe de todos eles e mais tarde, já na Europa, também da pequena duquesa de Goiás, a filha de D. Pedro com a marquesa de Santos. Todos a chamam de mãe e seus filhos – como a nossa Princesa Isabel – a chamam de avó.

Não é caso de deter-nos mais na vida que levam a seguir os dois esposos. D. Amélia terá um benéfico influxo na vida de seu impulsivo marido. De fato, o imperador vai viver só cinco anos. Os acontecimentos se precipitam: impopular no Brasil, no meio de dificuldades de ordem política e pensando nos direitos portugueses de sua filha D. Maria II, ele abdica a 7 de abril de 1831 e parte com sua esposa e a rainha menina para a Europa uma semana depois, dia 14. Dona Amélia, portanto, viveu no Brasil apenas um ano e meio. Como duque de Bragança D. Pedro entra na política portuguesa, pondo-se à frente da causa liberal. D. Amélia e D. Maria II ficam no exílio, sobretudo na França. Ali, em dezembro de 1831, nasce sua filha, a princesa Dona Maria Amélia. Com a entrada em Lisboa das tropas liberais, D. Pedro chama sua esposa e ela chega na capital portuguesa a 22 de setembro de 1833. Só um ano tinha ainda D. Pedro de vida, eis que morre no Palácio de Queluz a 24 de setembro de 1834.

Sobre Dona Amélia, tem que se reconhecer que humanamente ela levou uma vida de muitos sofrimentos.Com 11 anos perdeu o pai; imperatriz do Brasil por ocasião do casamento, perde este título com a abdicação do marido três anos depois; passa um largo tempo exilada e longe do marido, só indo com ele encontrar-se em 1833. No ano seguinte perde o esposo amado (viúva com apenas 22 anos) e poucos meses depois o irmão, o príncipe Augusto, que tinha casado com D. Maria II. Verifica-se um estremecimento de relações com a enteada rainha. Vive para a filha Maria Amélia, princesa belíssima e prendada, mas de 1850 a 1853 acompanha a lenta e implacável doença da filha, que morre com edificante piedade cristã na ilha da Madeira com apenas 21 anos. No mesmo ano morre D. Maria II. Fica Dona Amélia muito ligada ao neto, o rei D. Pedro V e sua esposa D. Estefânia, mas ambos tem morte prematura. Sua profunda fé cristã porém sempre a acompanhou. Dedicava-se muito a obras de caridade. Viveu retirada no chamado Paço das Janelas Verdes, em Lisboa, que tinha mais de convento religioso do que de palácio real. Ali vai receber a visita do conde d´Eu a caminho do Brasil, onde casará com a Princesa Imperial; ali depois recebeu a neta Dona Isabel em viagem de núpcias e enfim, em 1871 o filho Dom Pedro II, com quem sempre se correspondia. Cercada de meia dúzia de incansáveis amigos, ali morre no início de 1873. Será sepultada no Panteon da Casa de Bragança na Igreja de São Vicente de Fora, ao lado de D. Pedro I. Desde 1982 seus restos repousam no Brasil, no Monumento do Ipiranga, em S. Paulo, junto aos de D. Pedro I e de D. Leopoldina. Será um sonho, imaginar a construção de uma grande Necrópole Imperial, talvez aqui no Rio de Janeiro ou em Petrópolis, onde repousariam mais dignamente do que hoje (em S. Paulo, Petrópolis, aqui no Convento de Santo Antonio e em Vassouras, em Dreux na França e em Coburgo na Alemanha) nossos Imperadores e todos os demais membros da Família Imperial Brasileira? A lembrança de D. Amélia permanece viva na Família Imperial, tanto que o príncipe Dom Antonio deu o nome da imperatriz a uma de suas filhas. O príncipe Dom Luiz escreveu também um belo texto sobre D. Amélia numa de suas mensagens de Natal, texto que foi reproduzido agora pelo Círculo Monárquico no convite para esta missa.

No decorrer destas palavras, já foi mencionada a rainha D. Maria II de Portugal. Uma referência final ainda a esta soberana, de que se comemoram os 190 anos de nascimento. Nascida princesa Dona Maria da Glória, foi a primogênita do então Príncipe Real Dom Pedro de Alcântara e de Dona Leopoldina. Nasceu no Palácio de São Cristóvão a 4 de abril de 1819,um Domingo de Ramos, ou seja, quando estava ainda no Brasil seu avô Dom João VI. Nesta igreja em que estamos, então Capela Real, foi batizada dia 3 de maio, seguindo-se missa solene encomendada pelo Senado da Câmara na Igreja de S. Francisco de Paula. D. João VI, muito devoto de Nossa Senhora, levou a netinha dia 21 de junho ao Outeiro da Glória, colocando-a sob a maternal proteção da Virgem Santíssima. Muitas vezes depois D. Pedro levou D. Maria da Glória em visita ao Outeiro, Em março de 1826 morreu o avô em Lisboa e no dia 2 de maio o pai abdicou ao trono português em seu favor. Dona Maria II, rainha menina de 7 anos. Ela, a 5 de julho de 1828 viaja, menina de 9 anos, mas muito desembaraçada, para a Europa, acompanhada pelo já mencionado marquês de Barbacena, que vai também com a missão de obter uma segunda esposa para o Imperador. Não dando certo os planos iniciais, ela vai para a Inglaterra e depois, como dissemos, volta ao Brasil com D. Amélia, sua madrasta, a quem de fato nunca considerará mãe, mas companheira e amiga. Deixará em definitivo o Brasil na companhia do pai a 14 de abril de 1831. Não vamos traçar aqui sua biografia. É caso de lembrar apenas que foi declarada maior com apenas 15 anos, a 19 de abril de 1834. Uma lei de 30 de outubro do ano seguinte vai tirar-lhe qualquer direito ao trono do Brasil. Seu governo em Portugal foi polêmico e tumultuado. Tinha o autoritarismo do pai, muito ciosa de suas prerrogativas. Morre contando apenas 34 anos, pouco menos que o pai na data de seu falecimento. Mas envelhecera muito. Interessante, morreu num 15 de novembro, data fatídica pois para a Casa de Bragança, do ano de 1853. Casou em segundas núpcias com o príncipe Fernando de Saxe-Coburgo-Gotha, Dom Fernando II, rei honorário de Portugal, príncipe caseiro, sensível e delicado.Assimilou bem os costumes portugueses, identificando-se muito com o povo. Será o padrinho de batismo de nossa Princesa Isabel. Dom Pedro II será muito afeiçoado a ele.

Prezados amigos, por aqui paro. Penso ter avivado em todos a recordação de D. Pedro I, D. Amélia, Dona Maria II. Isto permitirá a todos unir-se mais intimamente às intenções desta santa missa, cuja celebração vamos agora prosseguir.


Homilia de Dom José Palmeiro Mendes, OSB, Abade emérito do Mosteiro de São Bento do Rio de Janeiro, na Antiga Sé, 17 de outubro de 2009.



--------------------------


A missa também marcou os 20 anos do Círculo Monárquico do Rio de Janeiro.

0 comentários :

ATENÇÃO


Em caso de cópia do material exposto: considerando a lei 9610/98, o plágio é crime. As obras literárias e fotográficas existentes neste espaço são de uso exclusivo do Blog Monarquia Já. Ao copiar qualquer artigo, texto, fotografia ou assemelhado, o Blog Monarquia Já deve, obrigatoriamente, ser citado.

Contador de visitas mundial


contador gratis

Contador de visitas diárias


contador gratis

  © Blogger template 'Isfahan' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP