sexta-feira, 10 de maio de 2013

Rainha Maria Cristina das Duas-Sicílias será beatificada


A Rainha Maria Cristina das Duas-Sicílias, nascida Princesa de Savoia
 
 
Por Dom José Palmeiro Mendes, OSB
 
Enquanto se fala na canonização do Beato Carlos da Áustria, último soberano do Império Austro-Húngaro (beatificado pelo Papa João Paulo II) e da beatificação de sua esposa, Zita, nascida princesa de Bourbon de Parma (o processo já foi iniciado na França); enquanto se fala na abertura no Rio de Janeiro do processo de beatificação de nossa Princesa Dona Isabel, a Redentora – eis que proximamente deverá ser beatificada uma outra soberana européia. O Papa Francisco autorizou dia 3 de maio passado a Congregação para a Causa dos Santos promulgar o decreto que reconhece um milagre atribuído à intercessão de Maria Cristina de Savoia, rainha das Duas Sicílias, falecida em Nápoles com apenas 23 anos de idade. O milagre representa o passo decisivo para a beatificação da soberana.
 
Maria Cristina, princesa de Savoia, nasceu em Cagliari, na Sardenha, a 14 de novembro de 1812, sendo a filha menor de Vitor Manuel I, rei da Sardenha e da arquiduquesa Maria Teresa d´Austria-Este. Casou em 1832 com o rei (desde 1830) Fernando II, tornando-se rainha das Duas Sicílias. Era de sentimentos religiosíssimos e extremamente devota: católica fervorosa, tinha que viver numa corte cujo estilo de vida estava muito longe de sua sensibilidade. Ela faleceu em Caserta a 31 de janeiro de 1836, sem ter completado 24 anos, em consequências de complicações do parto, ao dar à luz seu único filho, Francisco, que seria Francisco II, último rei das Duas Sicílias (1836-1894), o qual foi educado no culto de sua mãe, chamada “Rainha Santa”. Fernando II, menos de um ano depois da morte da esposa, recasou com a arquiduquesa Maria Teresa da Áustria (do ramo dos duques de Teschen). Tratou, porém, do processo de beatificação de sua primeira esposa, a qual a 10 de julho de 1859 foi reconhecida pelo Papa Pio IX como Venerável. O reconhecimento agora do milagre abre a estrada para a beatificação de Maria Cristina.
 
Lembremos que o rei Fernando II das Duas Sicilias era o irmão mais velho da imperatriz do Brasil, Dona Teresa Cristina (1822-1891), a qual era, portanto sobrinha da futura Beata. De seu segundo casamento com Maria Teresa da Áustria, teve entre outros filhos, Afonso, conde de Caserta, que vai suceder ao meio irmão, o rei Francisco II, como chefe da Casa Real de Bourbon das Duas Sicilias. O conde de Caserta foi o pai, entre outros, de Dona Maria Pia (1878-1973), esposa do príncipe Dom Luiz de Orleans e Bragança, Príncipe Imperial do Brasil, do príncipe Dom Carlos, infante de Espanha (1870-1949), pai da princesa Dona Esperanza de Bourbon, esposa do príncipe Dom Pedro Gastão de Orleans e Bragança, e da princesa Maria Cristina de Bourbon das Duas Sicilias (1877-1947), esposa do arquiduque Pedro Fernando da Áustria (são os avós da arquiduquesa Walburga, esposa de Dom Carlos Tasso de Saxe-Coburgo e Bragança). Enfim, uma irmã mais velha da futura beata foi a princesa Maria Teresa de Savoia (1803-1879), esposa de Carlos II, Duque de Parma (são os pais de Carlos III e avós de Roberto I, Duques de Parma, antepassados, entre outros, da imperatriz Zita da Áustria e do príncipe Felix de Bourbon de Parma, príncipe do Luxemburgo, este último sendo avô da princesa Cristina de Ligne, esposa do príncipe Dom Antonio de Orleans e Bragança).

0 comentários :

ATENÇÃO


Em caso de cópia do material exposto: considerando a lei 9610/98, o plágio é crime. As obras literárias e fotográficas existentes neste espaço são de uso exclusivo do Blog Monarquia Já. Ao copiar qualquer artigo, texto, fotografia ou assemelhado, o Blog Monarquia Já deve, obrigatoriamente, ser citado.

Contador de visitas mundial


contador gratis

Contador de visitas diárias


contador gratis

  © Blogger template 'Isfahan' by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP